Exposições

Ana Jotta
INVENTÓRIA

 

20.10.2019 – 08.03.2020

 

Qual é a primeira coisa que fazemos quando deixamos uma casa ou mudamos para uma nova casa? É claro, fazemos um inventário. Um inventário tem uma potencialidade objectiva, “não-determinada”. E o que é que fazemos a seguir? Instalamo-nos e decoramos a casa. São também estes os métodos de Ana Jotta. A casa torna-se uma obra de arte.

 

Através de uma discreta apresentação dos objetos da colecção Peter Meeker (Pedro Álvares Ribeiro), assim com de intervenções site-specific, Jotta visita a velha casa que esteve abandonada durante muitos anos, agora restaurada pelos novos inquilinos e transformada num novo centro de arte contemporânea. Jotta refere-se directamente a este momento de transformação. O espaço de habitação mudou de função e torna-se gradualmente um espaço artístico, permanecendo “anti-cubo branco”, definido pela sua anterior função de morada e pelos rastos dos antigos donos que nunca conhecemos.
Viver é deixar traços. Ser artista também é deixar traços. Por conseguinte, e uma vez que o seu trabalho é informado por este facto, Jotta deixou desenhos-surpresa, que “salpicam” toda a casa. A exposição consiste também num conjunto de objectos produzidos por Jotta de forma caseira, artesanal, incluindo bordados, candeeiros, ou peças de cerâmica. Eles são coroados por uma placa onde está escrito Amor Vacui, que a artista trouxe da sua cozinha em Lisboa, aqui pendurada numa característica sala de jantar vazia, juntamente com o punho (o pai) e a cruz (a mãe) em substituição dos retratos de família que são habitualmente mostrados nesse tipo de salão burguês.

 

INVENTÓRIA é o primeiro capítulo de uma série de exposições na Casa São Roque com o título A Casa e o Atelier, que nas exposições colectivas que se seguem irá examinar o fenómeno das casas e dos ateliers de artistas – a relação entre o lugar onde a arte é feita e o lugar onde a vida é vivida.

 

Crédito fotográfico: Filipe Braga